13 agosto, 2013

Unbroken Hearts

“Quase me perdi dentro de ti”. Estas foram as palavras que ouvi. Palavras proferidas de forma ofegante, tal a vontade de me teres. “Não percas essa vontade”, pedi. Mas não era só a vontade de te perderes entre sentidos e sensações, não era só o desejo carnal, a vontade de te abandonares a um descontrolo que desconheces e a que tão docemente te levo. Não era apenas o teu corpo a falar, nem apenas essa vontade sôfrega em te precipitares na minha direcção, essa vontade que te cega e te nega a razão e te faz esquecer tudo em volta, essa vontade que toma conta de ti e te deixa sem fôlego. Não é apenas isso, é essencialmente o sorriso que esboças na minha direcção e que eu devolvo na tua. É o teu olhar que comprova que nada se perdeu e que tudo o que pensei estar destruído, afinal, estava mesmo ali, este tempo todo à espera de ser resgatado e redescoberto por nós. Tanto tempo distraídos com outras ilusões, corrompidos por males menores, que tantas vezes pareceram maiores.
As palavras ecoavam ainda a cada vez que te abandonavas novamente nos meus braços. “Quase que me perdi dentro de ti”. E sorrias em silêncio e os teus olhos que diziam tudo. Olhos que já não sabiam disfarçar os sentimentos. Já não tinhas barreiras, já nada mais importava. Esses olhos de menino que um dia, num 8itavo andar, se perderam de amor quando se cruzaram com o meu olhar.
Entendia eu agora que era irreversível e que é realmente preciso perder para se saber valorizar. Entre beijos, sorrisos, abraços e lágrimas, deixaste escapar palavras que ficarão eternizadas naquele momento. As mãos que se tocavam numa atracção inquestionável, as promessas impressas na melodia que soava no ar, a cumplicidade que confirmava que só assim fazia sentido.
Espero então que te percas dentro de mim, de corpo e alma. Tenho a certeza que ficarás bem entregue, porque te sei cuidar, e talvez aí te encontres realmente. Talvez aí sejas tu todo por inteiro.
Eu sei que é um caminho longo a percorrer, demasiadas feridas precisam ainda de ser saradas. Sei disso muito bem e ainda bem que essa consciência está tão presente para que não se voltem a cometer os mesmos erros. É importante isso. Mas tenho esperança que, com o tempo, restem apenas os momentos bons, aqueles que fazem com que tudo valha a pena. Há coisas que não têm preço e a noite de ontem comprovou o que agora se torna inquestionável.
Repito então: “Não percas essa vontade”. Guarda em ti este momento e todos os outros em que falaste como prova daquilo que é sentido. Quando vacilares, volta a estes momentos, revive-os na tua mente e no teu coração e confirma-os. Reclama-os e reconhece-os dentro de ti. Estou aqui.
E, por favor, sim – perde-te dentro de mim... eu sou o lugar para onde queres voltar.






Sem comentários:

Enviar um comentário