26 julho, 2012

Força de Vontade


Pediste-me para escrever. Querias ler algo novo quando chegasses a casa. Pedi-te um tema. Disseste que ias pensar. Mais tarde chegou a mensagem que dizia “força de vontade”.
Sei que falavas da força de vontade para deixar certos vícios, porque ainda há pouco deixaste de fumar. Para mim, deixar vícios é uma coisa relativamente simples. Acho que basta que a pessoa o decida. Para mim, quinze dias é quanto basta. Mas isso é algo de que talvez vos fale um dia.
Mas quando li a tua mensagem vi as coisas noutra perspectiva. A minha. Sobre a falta dessa força que em mim não tem habitado.
Disse-te que era um tema complicado, nos dias que correm. Não tenho tido nem força nem vontade. Ou melhor, faltam-me as forças para cumprir as vontades que vão surgindo. E quando arranjo força e vou lá, falta-me a vontade de lá estar. Parece que não estou bem em lugar nenhum.
Quero fugir da monotonia e procurar outros lugares, com outras gentes e com outros cheiros. Mas falta-me a energia. Falta algo que me instigue. Parece que perdi o prazer nas coisas. Perdi o sabor da vida. Depois, quando consigo recuperar um pouco, pego em mim e vou lá, aos sítios, com pessoas e cores. E não sabe a nada. Perco a vontade numa espécie de desilusão. E volto para casa. Para o meu cantinho onde me sinto realmente confortável. Aqui, consigo sorrir algumas vezes. Aos poucos vou reconstruindo o meu ninho. Até a disposição do quarto mudei. Pode ser que esteja aqui o recomeçar de algo, o reconstruir das bases que preciso para me poder reerguer.
Que a vontade possa surgir em força e que me consiga abstrair e escrever sobre o que realmente me pediste. Em breve...




5 comentários:

  1. Uma mente desocupada é a oficina do diabo.

    ResponderEliminar
  2. Concordo, mas o problema reside precisamente no facto de eu ter a mente demasiado ocupada. Não necessariamente da melhor forma...

    ResponderEliminar
  3. Começaste pelo quarto... acredito que aos poucos te vais reconstruir e encontrar. Sei que vais! Acredito em ti e na tua força! Não na de vontade... não, nessa, neste momento! Mas sei que a tua força interior é grande! E estás rodeada de pessoas que gostam de ti! Sei que algumas podem não estar sempre fisicamente presentes... mas adoram falar contigo e ler-te... Sim, continuam a ler-te, apesar de poderes pensar que não...
    Por vezes, também os fãs se encontram com um bocadinho menos de forças e preferimos nos afastar. Precisas de boas vibes! Precisas de, tudo de bom! Precisas de férias, rapidamente! E precisas de sorrir muito! Porque ficas bonita a sorrir! (Calma CM que é uma gaja a escrever este texto!)



    E pode ser que, nessas mudanças todas, chegue a vez, de conseguires mostrar a casa de banho... :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom saber que os meus leitores continuam aí. Às vezes, penso que já ninguém me lê e até já pensei em deixar de partilhar aqui o que penso e o que sinto. Mas depois surgem pessoas como tu...
      Obrigada pelas tuas palavras.

      Um beijo doce e um abraço apertado,
      JB

      Eliminar
  4. Tenho a certeza que não sou a única que, por vezes, gosta de te ler em silêncio...
    Não é sinal de ausência, mas sim de recolhimento...

    Quando te sinto a nadar quase sem fôlego, acho que está na altura de intervir e te dar uma bóia de descanso. A bóia está sempre lá... mas precisas de nadar sozinha! Em todo o caso, retêm que, a bóia está sempre lá!
    Há sempre alguém que te lê...

    A retribuição do mesmo abraço apertado!

    ResponderEliminar