30 março, 2012

Beautiful Rain



A chuva que escorria pelas telhas, batia com força na janela e acordou-me devagarinho. 
Finalmente... Beautiful rain.

27 março, 2012

Fat Freddy's Drop - Wandering Eye

O groove do Dia D


HMB

Para ti, A.R.

Não sei em que fase estou, 
nem se se processam necessariamente por essa ordem.
Mas que dói, dóí! 
E de que maneira...
E custa a respirar sim. 
Fico sem fôlego sim.
É aquilo que eu chamo de... 
A Asma da Saudade.

Obrigada pelas tuas palavras.


PS - Um beijo doce e um abraço apertado ;)

26 março, 2012

24 março, 2012

...

A Tesoura

Foi difícil, mas teve que ser. Não podia ficar eternamente a adiar o corte de cabelo. Na verdade, cortei tão pouco que nem se nota, mas foi um bom princípio. Andei desde ontem ansiosa com isso e hoje só sosseguei quando tive uma ideia que podia ajudar a minimizar o peso que isto tem para mim...


... levei a tesoura da minha Mãe.

23 março, 2012

Coyote













Há alturas em que me sinto um bocadinho assim. Porque têm sido umas atrás das outras. 
Tenho que comprar um chapéu de chuva vermelho. Talvez ajude...

22 março, 2012

Forrowest




By Forro In the Dark

21 março, 2012

Teardrop

Gostava que as palavras fossem mais simples. Que fossem usadas de uma forma mais exacta. O que não tem importância, dizemos facilmente e o que realmente nos atormenta, fica entalado na nossa garganta. Ou vamos apenas dizendo aos bocadinhos em tentativas de compreender ou de permitir uma aproximação.
E depois há aquelas coisas que nos dizem com tamanha facilidade… e que são acompanhadas de lágrimas nos olhos. E em que acreditamos.
Acreditei, porque para mim só se chora quando se sente. Não consigo chorar de propósito ou sem sentimento algum. Acreditei por que achei que haveria arrependimento e alguma verdade naquelas lágrimas.
Enganei-me… de novo. Continuo sem entender o porquê. Pode ter sido imaturidade, maldade ou até doença. Mas mesmo assim, não consigo arranjar um sentido para essas atitudes com que me defronto vezes sem conta. Não sou assim e então não entendo.
Queria ser desapegada. Queria conseguir não pensar mais nisso e não dar mais importância a quem não merece. Mas não consigo. Não consigo, porque não existe uma razão e custa-me aceitar as coisas que não têm sentido.
Não gosto de desistir das pessoas. Não das pessoas de quem gostei. Fico magoada com isso e tento recuperar o que existiu, mesmo sabendo que se possa tratar de uma causa perdida. Luto, pois não quero acreditar que tudo foi falso e que possam existir pessoas tão calculistas. Não acredito simplesmente nisso. Mas acredito na cegueira. Acredito que hajam pessoas que ceguem ou simplesmente fiquem ofuscadas com alguma coisa. Mas “nem tudo o que luz é ouro”. E um dia verão que por vezes as luzes mais pequenas são aquelas que mais tempo subsistem e que iluminam verdadeiramente o nosso caminho. 



Sleepless...


Ando com os sonos todos trocados.
Não me lembro da última vez em que dormi uma noite seguida.

20 março, 2012

19 março, 2012

15 março, 2012

Parabéns, Xantipa!


7 anos de vida... :)

13 março, 2012

Tell Me A Tale


Esta música resume bem algumas das coisas que tenho escrito, algumas que tenho sentido e outras em que tenho apenas pensado. Porque às vezes é preciso que nos mostrem algo real, algo que possamos realmente sentir. É preciso que nos contem histórias para que possamos voltar a acreditar.

12 março, 2012

Ben & Eddie


Como se um não bastasse, os dois no Sudoeste!
Eu vou. Mais alguém? :)

10 março, 2012

Kony 2012


Porque nunca é demais divulgar...

09 março, 2012

Ocean


É por ficar sempre impressionada a cada vez que ouço esta música, que a decidi partilhar convosco.
Para os que já conhecem e para os que serão agraciados pela primeira vez, 
é para ouvir até ao fim... e depois fechar a boca.

Lisbon Sunrise

The light through the blinds

Adormeço com dificuldade, pela ansiedade que cresce dentro do peito. Por mil razões ela aparece, mas por nenhuma em especial. Fecho os olhos a custo e deixo-me levar. Acordo de hora em hora. Mudo de posição diversas vezes. Sonho imenso. Coisas desconexas.
Acordo com a mesma ansiedade, mas em muito maior grau. Custa-me a respirar. Tendo a respirar fundo, como que a expulsar esta pressão que se vai acumulando. Assusta-me sentir estas coisas, pois não sei o que fazer com elas. 
O dia vai surgindo por entre bolinhas ovais de luz. Sento-me. Tento acalmar-me. Falo contigo, contigo e contigo. Para me distrair, para me ajudares, para sentir só que estás aí.
Leio. Descubro coisas interessantes. Mas este sentimento estranho parece não me abandonar. Parece que se colou às paredes da minha alma. Colou-se pelo lado de dentro e bem lá no fundo, quase impossível de alcançar. Qual criança que tenta aceder ao último biscoito no fundo de um frasco. Talvez se me virarem de pernas para o ar. Talvez se me virarem do avesso. Talvez se me encherem de coisas boas, isto possa vir ao de cima e transbordar para outro sítio qualquer, para longe de mim.
A vela suada à minha frente imprime um aroma adocicado no ar morno do quarto. Abro o estore e a luz deste estranho sol morno de inverno invade o espaço onde me encontro. Sozinha.
Queria sair, mas estou impossibilitada. Nem caminhar consigo. Talvez Ele me leve ao colo. Ou apenas aqui fique a fermentar o que não sei identificar. Talvez me arme em teimosa e vá na mesma. Respirar um pouco de ar puro. Sentir as estrelas de dia num jardim tão próximo daqui. Antever a lua cheia que há-de vir e fechar os olhos. Ouvir os sons em redor. Ficar só assim, sem sentir mais nada… pode ser?




Lisbon Lovers

What do you love about Lisbon? from Lisbonlovers on Vimeo.

08 março, 2012

A língua portuguesa...

Em conversa com um amigo que vive na Alemanha:

Eu: Epá, alguém me anda a seguir na Alemannha. És tu que me andas a seguir?
Ele: A seguir? Quem é que manda a seguir?
Eu: Sim, alguém me anda a seguir na Alemanha. Eu não sei que é... És tu?
Ele: Quem é que manda a seguir?... Mas a seguir a quem? À Merkel?...

Lol :D. 
Já agora e visto que não chegámos a conclusão nenhuma, quem quiser que se acuse.

Feliz Dia da Mulher!